Os planos de Robinson em Mossoró

Em por Observatório RN
Atualizado em 9 de setembro às 12:07


Vídeo dramático da esposa de Francisco Silveira, resposta seca de Julianne Faria, Silêncio de Robinson.

Os fatos já revelam as intenções que até então eram apenas especuladas sobre os planos políticos de Robinson em Mossoró: Caminho aberto para aproximação política com Rosalba.

Sabendo que a reeleição não passaria de um delírio de Silveira, Robinson sempre procurou manter distância da disputa na terra da liberdade. A estratégia é de não participar do embate com sua ex-algoz, Rosalba Ciarlini.

Visando 2018, o Governador reconhece que precisa iniciar a montagem do seu arco de alianças e pavimentar a estrutura política de sua candidatura a reeleição. Próximo do Grupo de Betinho Rosado, Robinson enxerga aí o caminho para a aproximação definitiva com Rosalba.

Silveira era a pedra no sapato de Robinson.

Robinson aguarda o mandato de Silveira acabar. Com a possível vitória de Rosalba, usará o discurso de “parceria administrativa”.

O mundo dá voltas. Robinson aguarda às voltas do mundo.

 

Registro da sintonia entre Rosalba e Robinson em 2010. (Foto: Divulgação)
Registro da sintonia entre Rosalba e Robinson em 2010. (Foto: Divulgação)

Paquera entre Governo e Márcia

Em por Observatório RN
Atualizado em 6 de setembro às 10:18


Comemoração da vitória de sua eleição ao governo em 2014: Robinson lança Mineiro como pré-candidato a prefeito de Natal e consequentemente compromete seu apoio.


Já durante o ano de 2015, vendo que Mineiro por si só não crescia a ponto de protagonizar a disputa com Carlos Eduardo ainda no primeiro turno, Robinson passa a fomentar várias candidaturas dentro de sua base. Nomes como George Câmara, Luiz Gomes e Jacó Jacome passam a serem inseridos nas pesquisas.


Como a votação do impeachment, o voto do Deputado Fábio Faria favorável a cassação de Dilma, leva o Deputado Fernando Mineiro a romper com o governo. A partir daí, começa a ser implodida a tática de Robinson.


Sem Mineiro, que mesmo não despontando a ponto de protagonizar com Carlos Eduardo, mas era o candidato da base com maior competitividade, a estratégia de Robinson começou a naufragar.


Um a um os outros candidatos foram desistindo. A última cartada foi uma candidatura própria do PSD com Jacó Jacome. Mas Jacó não viabilizou sua candidatura. 


Robinson ficou órfão de candidato. Planejou ter um leque de candidatos e terminou de mãos abanando. 


É certo que Robinson e seu PSD jamais desejariam ficar de fora da campanha de Natal. Ainda mais com a real possibilidade da eleição acabar no primeiro turno.

Márcia Maia exita receber apoio do Governo (Foto: Divulgação)
Márcia Maia hexita receber apoio do Governo (Foto: Divulgação)


Diante disso, enxergasse uma tentativa de aproximação do grupo governista com a candidatura de Márcia Maia. 


Dentre os adversários de Carlos Eduardo, Márcia é candidata de menos “rebeldia” em relação ao governo. 


Mas apesar de todas às tentativas, Márcia tem resistido a tornar público uma aliança com Robinson. A deputada parece temer os ônus de uma aliança com o governo que não tem boa avaliação na capital. 


Dessa forma, Robinson segue órfão na campanha eleitoral de Natal.


Primeira Dama de Mossoró grava vídeo sobre a ingratidão de Robinson

Em por Observatório RN
Atualizado em 3 de setembro às 14:49


Viralizou na Capital do Oeste Potiguar o vídeo da primeira dama, Amélia Ciarlini, esposa de Francisco Siveira Jr.

 

O vídeo foi gravado (transmissão ao Vivo) pelo Facebook do próprio Silveira, através da ferramenta Face Live (Assista aqui).

 

Amélia inicia o vídeo dizendo que o marido não sabe da sua iniciativa e que o objetivo é que o vídeo chegue até o Governador Robinson Faria. A Primeira Dama diz que há dias tenta agendar uma reunião com o Governador, mas que sequer é atendida. A partir daí, Amélia passa a tratar de traições e deslealdade.

 

Amélia lembra que coordenou as campanhas de Robinson e Fábio Faria em 2014, fala de Silveira que apoiou Robinson quando o mesmo era desacreditado.

 

Amélia gravou o vídeo emocionada, dando pausas para enxugar ás lagrimas.

 

Amélia diz que o objetivo do vídeo é para ser atendida pelo Governador.

 

Mais uma crise para Robinson administrar.


Escassez de pesquisas

Em por Observatório RN
Atualizado em 2 de setembro às 14:52


Tão reproduzidas em eleições passadas, utilizadas até como ferramenta de marketing, as pesquisas eleitorais estão escassas na atual eleição.

 

Com mais de 15 dias de campanha e a um mês do processo eleitoral, as pesquisas divulgadas em Natal são poucas e espaçadas, enquanto no interior chegam a inexistir em importantes municípios.

Em Mossoró ainda não tivemos pesquisa divulgada desde o início da campanha, o mesmo vale para Currais Novos, São Gonçalo, Pau dos Ferros, Caraúbas, Macaíba, Ceará-Mirim, Assú, etc.

 

Enquanto isso, em Parnamirim os institutos Consult e Certus veem divulgando números bem divergentes sobre o processo eleitoral. Algum instituto sairá “queimado” da cidade Trampolim da Vitória.


Calendário de pagamento: A teoria e a prática

Em por Observatório RN
Atualizado em 2 de setembro às 10:27


Apenas no dia 01 de Setembro que o Governo do Estado divulgou o calendário de pagamento dos servidores referente ao mês de Agosto.

Com o pagamento fatiado em lotes, o calendário se estende até o dia 17 (19 na prática). Acontece que entre as datas divulgadas pelo Governo, duas são sábados: 10 e 17. Dessa forma, o servidor só terá acesso à sua remuneração na segunda-feira seguinte.

Confira a divisão do calendário de pagamento:

 

Dia 06/09: Servidores que recebem até R$ 2 mil.

Dia 08/09: Servidores que recebem entre R$2.001,00 e R$ 3 mil.

Dia 10/09 (Sábado): Servidores que recebem entre R$3.001,00 e R$ 4 mil.

Dia 14/09: Servidores que recebem entre R$4.001,00 e R$ 5 mil.

Dia 17/09 (Sábado): Servidores que recebem acima de R$ 5 mil.


Tião sem novidades

Em por Observatório RN
Atualizado em 2 de setembro às 10:22


A candidatura de Tião Couto (PSDB) nasceu em Mossoró do desejo de um grupo de empresários do município em propor uma política diferente da existente na cidade, uma administração com visão empreendedora e de resultados.

 

Para tanto, inicialmente o grupo focou em se opor a classe política local. Mas o tempo passou e às coisas estão no trilho da política já conhecida.

 

O primeiro ato foi à adesão da ex-prefeita cassada, Cláudia Regina. Até aí tudo bem, Cláudia foi considerada uma boa gestora a frente da prefeitura e mesmo a época fazendo parte do grupo dominante da política local, conseguiu que seu estilo se sobressaísse.

 

Mas na última semana a candidatura de Tião recebeu o apoio da também ex-prefeita Fafá Rosado e do seu marido, o ex-deputado Leonardo Nogueira.

 

Pronto! Tião entrou num oito. Conta com o apoio de duas ex-prefeitas em seu palanque e de representatividade da família Rosado. Nada de novo.

 

Tião Couto com as duas ex-prefeitas em seu palanque
Tião Couto com as duas ex-prefeitas em seu palanque

Lei que proíbe protestos políticos nas olimpíadas foi sancionada por Dilma

Em por Observatório RN
Atualizado em 9 de agosto às 14:29


O estudante de jornalismo Luís Moreira, de 26 anos, que trabalhava nas olimpíadas como voluntário, postou uma foto em sua conta no Facebook, dizendo que estava largando a função. O protesto acontece após posicionamento do Comitê Olímpico Internacional (COI) e do Comitê Organizador Rio 2016 de não permitir manifestações políticas nas arenas esportivas.

O que Luís esqueceu de mencionar é que a regra proibindo manifestações políticas em estádios durante as olimpíadas tem amparo da Lei 13.284, sancionada pela presidente afastada Dilma Rousseff (PT)  em 10 de maio deste ano. Foi um dos seus últimos atos como presidente, antes do afastamento. Em 2014, uma outra versão da lei – então sancionada para a Copa, também por Dilma, em 2012 – foi questionada pelo PSDB.

Ambas as leis sancionadas por Dilma passaram pelo crivo do Superior Tribunal Federal (STF), que as considerou constitucionais. No julgamento de 1º de julho de 2014, o relator foi o ministro Gilmar Mendes, que defendeu a constitucionalidade da lei, ressaltando que ela ajudava a prevenir conflitos em potencial.

Na época, Mendes disse  que era “notória a importância da liberdade de expressão para o regime democrático”, mas que “o constituinte não a concebeu com abrangência absoluta, insuscetível de restrição”. Como havia a colisão de direitos fundamentais, ele disse ter ponderado entre eles, aplicando o princípio da proporcionalidade.

Dilma ainda não se pronunciou em público sobre a sanção da Lei.

voluntario


Novela da formação da chapa de Carlos Eduardo fica mais intrigante a cada dia

Em por Observatório RN
Atualizado em 28 de julho às 15:17


A novela em torno da formação da chapa que terá o prefeito Carlos Eduardo Alves (PDT) como candidato á reeleição ganha novos capítulos e fica mais intrigante a cada dia. A sete dias da convenção, o acirramento segue a todo vapor.

O ego de Carlos Eduardo

Ao convidar o PMDB para indicar seu vice, Carlos Eduardo achou que poderia exigir que a escolha fosse sua dentre os quadros do partido. O prefeito queria o presidente licenciado da Fecomércio, Marcelo Queiroz, para a vaga. No entanto, o partido deu a ele duas opções: Hermano Morais e Álvaro Dias, dois deputados estaduais. O pedetista, do alto dos 40% das intenções de votos nas pesquisas, disse que não aceitava nenhum dos dois. O clima esquentou.

O líder da bancada

Bastou o acirramento para o vereador Júlio Protásio (PDT), que tem influência forte sobre os vereadores da base do prefeito, entrar no processo. Desafeto de Álvaro, a quem apoiou nas eleições de 2014, Protásio, junto com os vereadores governistas, passaram a requerer a vaga, tendo em vista que eles exercem liderança nas comunidades do município.

O convite e o desconvite

Em meio às indefinições, o deputado estadual Albert Dickson (PROS) anunciou que foi convidado pelo prefeito para a vaga. Logo em seguida, o chefe de gabinete e porta-voz de Carlos Eduardo negou que houvesse o convite e tratou de afirmar que a vaga é do PMDB.

Queda de braço

Com a intenção do prefeito de ainda manter o PMDB na majoritária, mas sem aceitar a indicação dos deputados, continua a queda de braço entre Carlos Eduardo e as lideranças peemedebistas. De um lado, o prefeito quer porque quer Marcelo Queiroz. Do outro, os bacuraus dizem que ele vai ter que escolher entre os nomes apontados pela sigla. A última semana desta novela promete fortes emoções até o final.

Carlos Eduardo (Foto:ALberto Leandro/PortalNoar)
Carlos Eduardo ainda não definiu quem será seu vice nas eleições deste ano

Larissa Rosado de olho na disputa em Natal

Em por Observatório RN
Atualizado em 24 de julho às 12:38


A ex-deputada Estadual Larissa Rosado concorreu à prefeitura de Mossoró nas últimas quatro disputas, mas tudo indica que não irá participar diretamente do pleito que se avizinha. Informações dão conta de que sua mãe, a ex-deputada Federal Sandra Rosado será candidata a uma vaga na Câmara Municipal, e que seu irmão, o vereador Lairinho Rosado pleiteia a vaga de vice na chapa de Rosalba.

Enquanto isso, Larissa acompanha acompanhará o pleito de Natal com ansiedade. Larissa é atualmente a primeira suplente da coligação que disputou a eleição em 2014. E a ex-deputada vê grandes chances de voltar à Assembleia Legislativa após a eleição de Natal. São pelo menos três possibilidades:

 

I – Tudo indica que o vice do atual prefeito sairá da Assembleia Legislativa. E os nomes concorrentes são dos Deputados Hermano Morais e Álvaro Dias, ambos do PMDB. Em caso de vitória de Carlos Eduardo com um desses vices, Larissa retorna a AL.

 

II – O Deputado Kelps Lima disputará a prefeitura de Natal. Em caso de vitória, Larissa também volta a AL.

 

III – A Deputada Márcia Maia também está na briga pelo Palácio Felipe Camarão. Mais uma possibilidade para Larissa retornar a AL.

 

Ex-deputada estadual Larissa Rosado  (Foto: Divulgação / ALRN)
Ex-deputada estadual Larissa Rosado (Foto: Divulgação / ALRN)

EDITORIAL: As definições de golpe foram atualizadas

Em por Observatório RN
Atualizado em 13 de julho às 22:28


Era a eleição da presidência da Câmara Federal, que elegeria o substituto do lendário Eduardo Cunha. Diante da crise – porquê não dizer do “cabaré” político em que vive o Brasil? –  essa eleição não poderia ser mais tumultuada.

Eram 14 candidatos. Nomes para todos os gostos. Teve até um que discursou como candidato para no final anunciar que estava abrindo mão de sua candidatura para apoiar um dos oponentes.

No entanto, ficou a cargo do PT a mais obscura jogatina política do processo. Estrategicamente, o partido não lançou candidato. Esse era o primeiro ato.

A ala de esquerda da Câmara apresentou duas candidaturas: Luiza Erundina (PSOL-SP) e Orlando Silva (PC do B). Ambos os partidos estiveram ao lado do PT no processo de impeachment da presidente (e não presidenta) afastada Dilma Rousseff.

Muito mais do que isso, o PC do B é mais leal ao PT e seus discursos do que o próprio PT. Ressalte-se que Orlando Silva foi Ministro dos Governos Lula.

Pois bem, o PT não fechou com nenhuma dessas opções.

Como sempre, seguindo as orientações de Lula, o PT apoiou a candidatura de Marcelo Castro (PMDB-PI). Isso mesmo: o PT apoiou a candidatura de um membro do PMDB, partido de Temer. Mesmo tendo um candidato aliado e uma outra candidatura de esquerda, o PT optou pela candidatura de um peemedebista.

Apesar da jogatina, o PT fracassou novamente. Passaram para o Segundo turno os Deputados Rodrigo Maia (DEM-RJ) com 120 votos e Rogério Rosso (PSD-DF) com 106 votos. Marcelo Castro teve 70 votos, Luiza Erundina 22 votos e Orlando Silva 16 votos.

 

Zé Guimarães (ex-líder do Governo Dilma) com Adesivo de Marcelo Castro (PMDB). Foto: Andréia Sadi - GloboNews
Zé Guimarães (ex-líder do Governo Dilma) com Adesivo de Marcelo Castro (PMDB). Foto: Andréia Sadi – GloboNews

 

E você aí, com cara de taxo, que ainda segura o discurso de “golpe”. Só um aviso: As definições foram atualizadas.