Bancos querem administrar dinheiro repatriado

Em por Roberto Fontes
Atualizado em 14 de novembro às 09:56


dolar

O processo de repatriação de recursos mantidos no exterior tem provocado disputa acirrada na indústria de private banking no Brasil.

Bancos grandes e médios montaram verdadeiras forças tarefa para auxiliar clientes nesta operação, de olho em uma fatia dos R$ 169,9 bilhões que foram formalizados até 31 de outubro, prazo limite estabelecido por lei para legalização.

Se as instituições conseguirem atrair entre 30% a 40% desse dinheiro para o sistema financeiro nacional, a indústria de private banking engrossará o caldo do patrimônio líquido do setor, que fechou em junho com R$ 762,64 bilhões.

Isso porque o crescimento registrado tanto este ano, de 7,04% no primeiro semestre, sobre igual período de 2015, quanto o de 2015 sobre 2014, de 10%, é considerado pífio pelos principais atores do mercado, já que representa menos que a reposição da taxa de juro básico oficial, a Selic, do período.

Os bancos explicam que a disputa por esse cliente começou no dia seguinte ao prazo final de repatriação.

Num primeiro momento, as pessoas estavam mais preocupadas em levantar toda a documentação necessária para legalizar sua situação, para só depois resolver onde alocar o capital.

Mas independentemente do país em que o investidor escolha manter seus recursos, as instituições se dizem preparadas para atendê­lo globalmente.

“Este cliente virou objeto de desejo de toda a indústria”, revela João Albino Winkelmann, presidente do Comitê de Private Banking da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).

São mais de 25 mil pessoas que viraram alvo das instituições financeiras após as medidas de regularização.

Os executivos sabem, porém, que parte do que entrar no Brasil pode ser usado com outra finalidade, como para compra de ativos da economia real.

Mais de 95% dos processos conduzidos pelos grandes bancos nas operações de câmbio foram de clientes da própria instituição, que antes não eram conhecidos.

“Agora que podemos saber quem eles são, fizemos vários acordos para que transferissem os recursos para nós, seja aqui ou no exterior”, relata Winkelmann, que também é diretor de private banking do Bradesco.

O banco montou um mutirão com 25 executivos que trabalharam 14 horas por dia, inclusive em fins de semana e feriados, para atender a esta demanda e diz não ter cobrado nenhum centavo por isso, de olho, claro, na captura de parte desse dinheiro.

“Já começamos a ligar para os principais clientes. Cada banker tem a sua lista. Nossa meta é atingir pelo menos 50% de tudo o que passou por aqui.”

Com a recente aquisição do HSBC, estima­se que o Bradesco supere a marca de 20% de participação de mercado na administração de patrimônio líquido total do private banking no país.

Se capturar o que pretende, esse volume potencializaria a sua carteira entre 5% a 8% no Brasil.

Bem à frente e com presença global robusta, o Itaú Unibanco, que administra mais de R$ 220 bilhões só na carteira private, além dos US$ 20 bilhões em patrimônio líquido no exterior, acha que o processo da repatriação foi muito rico em termos de aproximação com seus clientes.

“Tivemos acesso a informações novas, que antes não nos interessavam, e estamos vendo a repatriação como uma grande oportunidade”, afirma Luiz Severiano, executivo do Itaú.

A instituição, que mantém operação internacional desde 1995, acredita que o que vai definir o tamanho da fatia do dinheiro internalizado será a estratégia a ser criada e o olhar para o portfólio global do cliente.

Alguns fatores contam a favor do Brasil.

“Há de pesar a alta taxa de juros do país, que tende a dar bom retorno ao investidor mesmo se comparado em dólar. Há a tendência natural de que uma parcela retorne ao mercado brasileiro”, avalia Severiano.

A estimativa do executivo é de que entre 20% e 40% do total sejam capturados pela indústria local, devido à combinação de remuneração alta com elevada liquidez e risco praticamente zero.

A meta do banco é atingir US$ 5 bilhões nas operações no exterior e 30% de tudo o que entrar no país, o que poderá representar 7% de incremento em sua carteira local.

Com informações do Valor Econômico


Queda nas vendas passa de 10% no RN

Em por Roberto Fontes
Atualizado em 13 de novembro às 17:53


Presidente Marcelo Queiroz
Marcelo Queiroz estima que 2016 será o pior ano para o varejo potiguar

 

Com o resultado de setembro, já são 15 meses seguidos de queda nas vendas e perspectiva é de fechar o ano com queda de até 12%, segundo a Fecomércio RN

Vai cada vez mais distante o último mês em que as vendas do Comércio Varejista Ampliado do Rio Grande do Norte registraram crescimento.

Foi em junho de 2015, com alta de 1,2%.

Desde então, até setembro deste ano – dado mais recente, divulgado pelo IBGE –, foram 15 meses seguidos de retração.

Em setembro deste ano, na comparação com setembro de 2015, as vendas do comércio norte-riograndense tiveram queda de 10,3%.

Com isso, o acumulado do ano já aponta para uma redução de 10,6%.

Para efeito de comparação, de janeiro a setembro de 2015 as perdas acumuladas eram de 3,9% e, no ano passado inteiro, o revés foi de 5,9%.

A cada nova divulgação dos dados oficiais do IBGE, o quadro que pintamos há cerca de seis meses, de que teríamos um ano negativamente histórico para as vendas do comércio potiguar, fica mais nítido. Este número de setembro ficou dentro do que imaginávamos e só reforça nossa percepção de que teremos, ao final do ano, uma perda acumulada entre 10% e 12%”, disse o presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do RN, Marcelo Queiroz.

Segundo ele, 2016 caminha para ser o pior ano para o varejo do nosso estado desde 2005, quando o IBGE começou a série histórica.

Ainda de acordo com o IBGE, os segmentos de Livros, Jornais e Revistas (-18%); Veículos e Autopeças (-14,4%) e Móveis e Eletrodomésticos (-13,4%) foram os que amargaram as quedas de vendas mais agudas.


AGENDA

Em por Roberto Fontes
Atualizado em 13 de novembro às 17:42


Empreendedorismo Inovador

Estão abertas as inscrições para o Prêmio de Empreendedorismo Inovador promovido pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação (Propi), do IFRN. Em sua primeira edição, o evento tem o objetivo de estimular a cultura empreendedora no Rio Grande do Norte. Os modelos de negócios mais bem avaliados poderão ser integrados às incubadoras em funcionamento nos campi do IFRN. As atividades do Prêmio ocorrerão entre os dias 23 e 26 de novembro, dentro da programação da Semana de Ciência, Tecnologia e Extensão do IFRN (Secitex) em Parnamirim. Podem se inscrever estudantes de cursos técnicos e superiores do IFRN, além de ex-alunos, desde que tenham mais de 16 anos e não sejam servidores da Instituição atualmente. Os interessados podem se inscrever até o dia 22 de novembro, no site da Secitex (http://eventos.ifrn.edu.br/secitex2016/), mesmo endereço em que a programação completa pode ser acessada.

Hoje tem fórum da Redepetro em Mossoró

Os desafios da produção do petróleo na bacia do Rio Grande do Norte serão tema do Fórum Onshore Potiguar, promovido hoje pela Associação Redepetro RN. O evento será realizado no auditório do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Mossoró (SEBRAE-RN), a partir das 13h30.Às 14h tem a palestra ‘As demandas das empresas independentes para o destravamento do setor de campos terrestres brasileiros’, ministrada pelo secretário executivo da Associação Brasileira dos Produtores Independentes de Petróleo e Gás (ABPIP), Anabal Santos Junior. Em seguida, o secretário de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis do Ministério de Minas e Energia (MME), Márcio Félix Carvalho Bezerra, abordará ‘A visão e contribuições do MME para o Setor Onshore do Brasil’. Às 14h30, o deputado federal do RN, Beto Rosado, falará sobre o ‘Projeto de Lei 4663/2016’, de sua autoria. A participação no evento é gratuita e as inscrições podem ser feitas pelo telefone 0800 570 0800.

Trem Solidário

A decoração natalina deste ano do Natal Shopping está recheada de magia, criaturas e objetos encantados. Além do bom velhinho, que recebe as crianças todos os dias da semana na Praça de Eventos, um destaque da Floresta do Noel é a Maria Fumaça, um trenzinho que transporta os pequenos por um inesquecível passeio natalino. Os ingressos, no valor de R$ 10, terão parte da renda revertida para três instituições: Liga Norte Riograndense Contra o Câncer, Associação Amigos do Coração da Criança – Amico e Hospital Infantil Varela Santiago. Quem participar dos passeios terá ainda a oportunidade de conhecer figuras mágicas e um ambiente encantado especialmente preparado para o período de Natal. O Papai Noel, ícone do período natalino, é o protagonista da Floresta Encantada e recebe as crianças todos os dias, das 15h às 21h, até a véspera de Natal, 24 de dezembro, quando estará disponível das 10h às 18h para as últimas conversas de Natal.

Outback tem horário especial de fim de ano

O Outback lançou o Aussie Time, um horário especial em que os clientes poderão aproveitar benefícios exclusivos para as confraternizações de fim de ano até o dia 22 de dezembro, de segunda a quinta-feira (exceto feriados), das 15h às 18h. Neste novo horário tem oferta de 50% de desconto sobre o preço do cardápio em qualquer bebida alcoólica consumida, exceto cervejas importadas, garrafas de vinhos e destilados. Além disso, aperitivos exclusivos do Billabong Hour, o happy hour da rede, também estarão disponíveis para consumo. A grande novidade do horário é a possibilidade de reservar mesa, para grupos com mais de 10 pessoas. Nas mesas com mais de 10 pessoas serão distribuídos vouchers de R$ 50 (cada grupo de 10 pessoas tem direito a 1 cupom de R$ 50 que será enviado por e-mail para o destinatário escolhido), que poderá ser usado em uma próxima visita no mês de janeiro.


Senado aprova PEC dos gastos públicos

Em por Roberto Fontes
Atualizado em 9 de novembro às 22:12


A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou ontem o texto-base da PEC que estabelece um teto para os gatos públicos, medida tida como prioritária pelo governo em seu esforço para ajustar suas contas.

Aprovado por 19 votos a 7, o texto-base da Proposta de Emenda à Constituição ainda pode ser alterado por uma emenda destacada para ser votada separadamente.

Uma vez aprovada pela comissão, a PEC precisa passar por dois turnos de votação no plenário do Senado.

A votação deve ocorrer nos dias 29 de novembro e 13 de dezembro.

O senador José Agripino, presidente do Democratas, disse que a medida será primordial para a retomada do crescimento e da credibilidade do Brasil.


Agenda

Em por Roberto Fontes
Atualizado em 9 de novembro às 21:59


Fest Orquídeas

De 8 a 11 de dezembro Natal sedia mais uma edição do Fest Orquídeas no Orquidário Flores do Lago, nos Sam’s Club.Diariamente o festival estará aberto das 8h às 21h, menos no domingo, quando funciona das 9h às 15h.Beleza natural que encanta a todos, o Fest Orquídeas tem exemplares para todos os gostos: orquídeas pequenas, grandes, terrestres, arbustivas, aquáticas, peculiares, comuns, baratas e caras. Mais predominante nas áreas tropicais, às orquídeas possuem mais de 50 mil variações de espécies no mundo e necessitam de cuidados diferenciados. Durante o Fest Orquídeas, o visitante, além de observar de perto, adquirir uma e levar para casa, poderá também participar dos cursos gratuitos sobre adubação, cuidados específicos, iluminação, localização ministrados por Gerson Paiva, orquidófilo com anos de experiência.

BNB incentiva projetos esportivos

O Banco do Nordeste aportará R$ 1,09 milhão para iniciativas de incentivo ao esporte ao longo de 2017. Os recursos serão aplicados com base na Lei de Incentivo ao Esporte (nº 11.438/06). Os projetos serão selecionados por comissão técnica do BNB com base em critérios pré-estabelecidos para enquadramento e análise. A equipe terá por base a lista de projetos aprovados pelo Ministério do Esporte localizados dentro da área de atuação do Banco (região Nordeste e norte dos estados do Espírito Santo e Minas Gerais). Entre os critérios utilizados, estão: caráter social inclusivo, grau de relevância para a localidade, público jovem de baixa renda, otimização da relação custo x benefício do projeto. Após aprovação e homologação das iniciativas selecionadas, será firmado termo de doação com as entidades executoras que serão acompanhadas pelo Ministério do Esporte após a liberação de recursos financeiros.

Contabilidade

De 16 a 18 de novmbro será realizado o 13o Encontro Norte-rio-grandense de Ciências Contábeis (ENCC), em Natal. Evento tem como tema central “Contabilidade: Empreendedorismo, Gestão e Transparência”. O ENCC objetiva o desenvolvimento profissional, dar incentivo à produção científica e debater temas que promovam avanços da ciência e da profissão contábil. Congressistas se reunirão no Teatro Riachuelo. Todas as instituições de ensino superior do Estado e entidades representativas de classes, tais como os sindicatos, academia e associações participarão dos debates. Promovido pelo Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Norte (CRC/RN), o evento é realizado em parceria com a Academia Norte-rio-grandense de Ciências Contábeis (Acadern). Paralelo ao encontro será realizado também a 1ª Convenção Contábil Potiguar. As inscrições podem ser feitas até o dia 14 de novembro, via internet, na página www.crcrn.org.br.


Investidores fazem ‘rapa’ na poupança

Em por Roberto Fontes
Atualizado em 7 de novembro às 20:09


O Banco Central do Brasil informou ontem que a caderneta de poupança registrou saída líquida de 2,712 bilhões de reais em outubro, marcando o décimo mês seguido no vermelho.

O resultado foi melhor do que o observado em outubro do ano passado, quando a poupança perdeu 3,264 bilhões de reais.

No Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), os saques superaram os depósitos em 1,770 bilhão de reais em outubro e, na poupança rural, o resgate líquido foi de 941,9 milhões de reais.

No acumulado de 2016, informou o BC, a perda líquida da poupança chegou a 53,251 bilhões de reais, sendo 42,824 bilhões de reais no SBPE e 10,427 bilhões de reais na poupança rural.

Com o desempenho de outubro, o resultado acumulado de 2016 já é praticamente o mesmo verificado em todo o ano de 2015, quando a saída líquida foi de 53,568 bilhões de reais.


AGENDA

Em por Roberto Fontes
Atualizado em 7 de novembro às 20:10


Food trucks

Empreendedores que trabalham no ramo de Food Trucks e desejam integrar a praça de alimentação da II Semana de Ciência, Tecnologia e Extensão do IFRN (Secitex) têm até amanhã para realizar inscrição no processo seletivo. A Secitex é o maior evento acadêmico, científico e cultural do IFRN e neste ano será realizado no Campus Parnamirim, de 23 a 26 de novembro. As regras da seleção dos empreendedores estão no Edital de Chamada Pública nº 1/2016-Campus Parnamirim/IFRN.No dia 10 haverá o deferimento das inscrições, e a divulgação do resultado final deve acontecer no dia 11. Já no dia 14, está prevista uma reunião com os empreendedores selecionados.

FNE itinerante

A partir de hoje os eventos promovidos pelo Banco do Nordeste, denominados FNE Itinerante, retomam suas atividades. As micro e pequenas empresas e os microempreendedores individuais das cidades de Riacho da Cruz (dia 8), Lucrécia (9), Governador Dix-Sept Rosado (10) e Grossos (11) participarão de uma série de encontros das equipes do Banco e seus parceiros para divulgação das linhas de crédito do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE).Até dezembro, o FNE Itinerante ainda passará pelos municípios de Tenente Ananias (29), José da Penha (30) e Rodolfo Fernandes (01/12). Os municípios contemplados foram escolhidos de acordo com critérios estabelecidos pela Política Nacional de Desenvolvimento Regional do Ministério da Integração Nacional. Como parceiro e apoiador do projeto, o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-RN) realiza palestras para os empresários, com foco na escolha, formatação e gestão de negócios. O Circuito já passou por 13 cidades, atendeu mais de 500 microempresários e gerou a prospecção de novos negócios na ordem de R$ 14 milhões, especialmente nas áreas de comércio e serviços. 

Feira de emprego

Para aproximar os estudantes das oportunidades profissionais, a Universidade Potiguar promove a terceira edição da Feira de Empregabilidade. Hoje e amanhã em Natal e dia 10 em Mossoró, empresas de diversos segmentos apresentarão ofertas de estágios, vagas de emprego e receberão currículos dos estudantes. A programação contará ainda com palestras, oficinas e mesas-redondas com todas as informações para os participantes conquistarem as vagas desejadas. Promovida pela Núcleo de Empregabilidade, a Feira tem como objetivo discutir o novo perfil profissional que o mercado exige e, além disso, buscar aproximar a comunidade acadêmica de oportunidades no mercado de trabalho.As inscrições são exclusivas para os alunos e ex-alunos da UnP e estão abertas no site www.unp.br/eventos. Mais informações através dos telefones (84) 3216-8626 e 3215-8541.

Farmafórmula Pet

A Farmafórmula realiza evento gratuito direcionado aos medicso veterinários sobre “Manipulação veterinária – novos ativos e formas farmacêuticas inovadoras”. A palestra será ministrada pela renomada farmacêutica Camila Moroti, nesta quinta-feira, dia 10, às 19h, no auditório da Matriz. Na oportunidade, a franquia Potiguar irá mostrar o seu departamento exclusivo de formulações de medicamentos para animais de todos os portes, com licença do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA.

Vagas temporárias

Para atender o aumento da movimentação nas lojas no final do ano, o Walmart Brasil abre 1000 vagas temporárias. Os cargos disponíveis são para operador de caixa, repositor, açougueiro, auxiliar de perecíveis, auxiliar de limpeza e empacotador. As oportunidades são para as lojas do Walmart de todo o Brasil e no Rio Grande do Norte para o Sam’s Club. As inscrições vão até 25 de novembro. Todas as vagas também estão abertas para PCDs. O Walmart incentiva um ambiente profissional que valoriza as diferenças, sejam elas físicas, étnicas, culturais, de idade e orientação sexual, além de oferecer todas as suas vagas de trabalho, sem restrição, à candidatura de pessoas com deficiência. As inscrições podem ser feitas pelo site www.manpowergroup.com.br. Informações pelo telefone: 0800 2016 746.


Pirataria e contrabando movimentam R$ 115 bilhões

Em por Roberto Fontes
Atualizado em 7 de novembro às 19:23


Marcelo Q
Marcelo Queiroz, presidente da Fecomércio-RN

 

O contrabando e a pirataria no Brasil geram prejuízos acima de R$ 115 bilhões por ano à economia do país e à sociedade.

O número, significativo, foi apresentado pelo presidente do Fórum Nacional Contra a Pirataria e a Ilegalidade (FNCP), Edson Vismona, durante o Brasil em Foco – Especial, projeto da Fecomércio RN realizado ontem no Hotel Best Western Premier Majestic, em Ponta Negra, em parceria com a Confederação Nacional do Comércio e Fórum Nacional Contra a Pirataria e a Ilegalidade.

Vismona, que também é presidente do Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial, detalhou que dos R$ 115 bilhões que o comércio formal deixa de ganhar, R$ 80 bilhões são recursos de 18 setores econômicos, como vestuário, cigarro e indústria farmacêutica, e os R$ 35 bi restantes relativos a impostos sonegados.

Esses volumes são muito significativos. São perdas para a sociedade brasileira e são produtos que afetam nossa saúde, nossa segurança e prejudicam a competitividade. Uma concorrência ilegal ao nosso comércio e indústria”.

Segundo dados do FNCP, os produtos mais pirateados são filmes e músicas, os mais contrabandeados são cigarros e os mais falsificados são roupas, tênis e óculos.

Há uma estrutura criminosa por trás dos produtos contrabandeados, que gera uma fonte de recursos para outros crimes. Em uma pesquisa no Nordeste, 79% dos entrevistados afirmam que o comércio ilegal estimula criminalidade. O que queremos deixar claro é que não temos nada contra o comércio popular, e sim contra o comércio ilegal”, explicou.

O presidente do Sistema Fecomércio RN, Marcelo Queiroz, afirmou que não são somente as empresas, o comércio e o poder público que acumulam perdas com as práticas e comércio ilegal.

Os consumidores dos produtos desta cadeia de crimes assumem também uma posição egoísta, de se dar bem a qualquer custo. Além disso, estes produtos nunca terão a qualidade de um item original, como também podem prejudicar a saúde e a integridade física de quem os consumir”, alertou.

O presidente da Frente Parlamentar de Combate ao Contrabando e à Falsificação do Congresso Nacional, deputado federal Efraim Filho, alertou que o contrabando e a pirataria também atrapalham o comércio, impedindo o empreendedorismo.

Não dá para deixar de lado essa prática criminosa e ilícita, que deteriora além da saúde, o mercado de trabalho. É necessário exterminar essas práticas para propiciar um ambiente de negócios favorável para o empreendedor”, disse.

No final do evento, foi montada uma espécie de sala de visitas, onde o presidente Marcelo Queiroz mediou um debate entre o palestrande Edson Vismona e representantes das diversas entidades municipais, estaduais e federais envolvidas na questão.

O representante da CNC no Conselho Nacional de Combate à Pirataria, André Roncatto, afirmou que o Brasil em Foco promovido pela Fecomércio RN foi um “choque de conhecimento” aos empresários e poder público presentes, aumentando assim a responsabilidade para o combate.

O presidente Marcelo Queiroz acrescentou que o objetivo do Sistema Fecomércio e da CNC é de combater o crime, visando uma “sociedade melhor, mais justa, produtiva e próspera”.

O Brasil em Foco é um dos principais projetos realizados pelo Sistema Fecomércio, e procura trazer ao estado personalidades do cenário político e econômico nacional para tratar de temas importantes para o empresariado.

Em 2016 já trouxe o advogado tributarista, ex-ministro da Fazenda e do Desenvolvimento, Gustavo Krause, que falou sobre o Sistema Tributário Brasileiro.


Receita leva xexo na repatriação

Em por Roberto Fontes
Atualizado em 7 de novembro às 19:04


Caiu o valor dos impostos e multas arrecadados com o programa de regularização de recursos, promovido pelo governo federal.

É que contribuintes que aderiram ao programa deixaram de pagar R$ 4,153 bilhões em impostos e multas e serão alvo de investigação da Receita Federal.

O órgão vai identificar a veracidade e autenticidade das informações e cobrará o pagamento – agora, sem os benefícios da Lei da Repatriação.

O programa rendeu efetivamente R$ 46,8 bilhões aos cofres do governo, segundo o secretário da Receita, Jorge Rachid.

Na semana passada, a Receita havia anunciado uma arrecadação de R$ 50,9 bilhões com o programa.

A diferença se refere a 161 contribuintes pessoas físicas e a sete pessoas jurídicas.

Destes, cinco pessoas físicas e duas pessoas jurídicas responderam sozinhas por 98,7% da diferença, o equivalente a R$ 4,1 bilhões.

O Fisco já iniciou procedimentos fiscais para identificar as informações, o IP (Internet Protocol, uma espécie de identidade) do computador de origem e a existência de ativos e rendas desses contribuintes que não foram declaradas.

Essas declarações foram feitas com certificação digital, então os auditores fiscais vão agir, vão intimar os contribuintes e cobrar imposto devido”, disse Rachid, sem estabelecer prazos para a conclusão da ação.

Na apuração, poderemos elaborar representação fiscal para fins penais, se for o caso”, afirmou.

Os contribuintes que deixaram de pagar os valores declarados à Receita Federal serão cobrados agora na integralidade.

Isso quer dizer que as alíquotas serão superiores aos 15% de imposto de renda e 15% de multa estabelecidos no programa.

Segundo Rachid, as pessoas físicas terão de arcar com os 27,5% de imposto de renda, enquanto as pessoas físicas pagarão IRPJ mais CSLL.

Sobre o valor do imposto incidirá a multa de ofício, que varia de 75% a 150%.

O secretário da Receita evitou relacionar o não pagamento do valor da multa e do imposto devido com o anúncio de uma possível nova edição do programa de repatriação.

Ele também evitou comentar se já há conversas do órgão com o Congresso Nacional sobre o novo projeto para retomar o programa de repatriação em 2017.


Falta de encomendas adia o Natal da indústria

Em por Roberto Fontes
Atualizado em 7 de novembro às 10:41


papai noel triste

O Natal para os fabricantes de eletrodomésticos e eletrônicos, que normalmente ocorre em outubro, por conta das encomendas feitas pelo comércio, neste ano está atrasado.

Com estoques ainda elevados no varejo e na indústria e uma perspectiva desfavorável de vendas no final de ano, as lojas estão fazendo os pedidos a conta-gotas.

O resultado dessa maior cautela aparece no ritmo de produção das fábricas da Zona Franca de Manaus (AM), que concentra a produção de aparelhos de áudio e vídeo.

Hoje as indústrias do polo, que em épocas normais estariam trabalhando a todo vapor, ocupam cerca da metade da capacidade de produção, segundo o presidente Centro da Indústria do Estado do Amazonas (CIEAM), Wilson Périco.

Também as empresas praticamente não contrataram trabalhadores temporários para o fim de ano.

“A demanda de produtos para o Natal não aconteceu. É a primeira vez em 25 anos que presencio isso”, diz o presidente do CIEAM.

Normalmente, observa Périco, o quadro de pessoal nas indústrias cresce entre 6% e 7% de outubro a janeiro para atender ao aumento da produção de fim de ano.

Além de não contratar temporários, o emprego dos trabalhadores que ocupam vagas regulares nas indústrias da Zona Franca deu marcha à ré.

O segmento de eletroeletrônicos, que encerrou 2015 com 41,2 mil empregados, tinha em agosto deste ano 31,4 mil trabalhadores, segundo a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa).

Algumas empresas que reduziram turnos de trabalho.

Outro sinal de fraqueza da atividade aparece nas quantidades fabricadas de produtos, que caíram em quase todos os segmentos de eletrônico.

De janeiro a agosto – o último dado disponível da Suframa–, o volume fabricado de aparelhos de ar condicionado split recuou 60% em relação ao mesmo período de 2015.

No forno de micro-ondas, a retração foi 40% e nas TVs, item tido como o carro-chefe de consumo da linha de áudio e vídeo, a queda foi de 20%, nas mesmas bases de comparação.

Um executivo de uma grande indústria confirma que os varejistas estão comprando os produtos “no dia a dia”.

Segundo ele, os lojistas enxergam na Black Friday, a megaliquidação do varejo marcada para a última sexta-feira deste mês, a oportunidade para aliviar os estoques que estão elevados nas lojas.