O feriadão em Natal pode aumentar ausências na eleição

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 24 de agosto às 06:46


processo-eletivo-2016

A  imagem dos políticos não anda lá essas coisas, é verdade.

A má vontade do brasileiro em votar também anda fraca. Basta verificar o grau de abstenção das últimas eleições.

A falta de recursos para “estimular” mais o eleitor é outro ingrediente a atrapalhar os planos dos candidatos.

Pois o calendário eleitoral em Natal pode piorar ainda mais o quadro.

A eleição municipal está prevista para o dia 2 de outubro, um domingo. Na segunda feira em Natal será feriado dos Mártires.

Quer dizer: sexta, sábado, domingo e segunda.

Um feriadão que convida a viajar, praia, descanso, lazer, ócio.

Uma eleitora revelou ontem que não votará no primeiro turno.

Prefere viajar, pagar a multa e votar no segundo.

Os candidatos precisam refazer seus planos.


Em Assú, Gustavo pretende criar a Guarda Municipal

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 24 de agosto às 05:47


gustavo

O candidato a prefeito Gustavo Montenegro (PR) elegeu a criação da Guarda Municipal como uma das prioridades de sua administração, a partir de 1º de janeiro de 2017 na Prefeitura do Assú.

“A constituição da Guarda Municipal, que terá seus quadros formados mediante concurso público, será um instrumento a mais no sentido de fortalecer o aparelho de segurança pública. Ela terá como principal competência zelar o patrimônio público, mas também terá papel fundamental no sentido de repassar uma maior sensação de segurança ao cidadão, pois sua presença vai ajudar a inibir a ação dos delinquentes”, destacou Dr. Gustavo.

Fonte e foto: Assessoria


Campanha de Rosalba em Mossoró prossegue normalmente

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 24 de agosto às 05:40


DSC_0934

DSC_0516 (1)

A assessoria jurídica da campanha de Rosalba Ciarlini em Mossoró divulgou nota a respeito das tentativas de impugnação do nome da ex-governadora feito por coligações adversárias.

Diz a nota:

Buscando trazer a realidade dos fatos sobre o registro de candidatura de Rosalba Ciarlini, que constantemente vem sendo objeto de ataques de adversários com lançamento de teses inusitadas, a Assessoria Jurídica da candidata vem à público explanar acerca do  pedidos de impugnação de registro de candidatura protocolizados  por coligações de candidatos adversários que desejam não disputar a eleição contra ela. 

O que deve ser exposto a todos é que tais ações não trazem nenhum fato novo e nenhuma causa de inelegibilidade dentro do ordenamento jurídico brasileiro, nem de qualquer uma das hipóteses da Lei da Ficha Limpa  que a impeça de disputar uma eleição ou ocupar cargo eletivo.

A lei da ficha limpa, inclusive merece todo o aplauso da sociedade brasileira por preservar a moralidade e a presença de pessoas bem intencionadas na política sendo bem clara e taxativa nas hipóteses da sua aplicação e nenhuma, nem de longe, atinge a situação jurídica de Rosalba Ciarlini e de sua vice que também é alvo da iniciativa dos adversários. 

Ademais, resta esclarecer que a coligação Força do Povo mantém o clima de respeito e obediência às regras eleitorais vigentes e a campanha continua normalmente nas ruas da cidade. Contando com a compreensão de todos que desejam ver a cidade num clima pacífico e de normalidade democrática, ficam nossos préstimos de estima e consideração.

Fonte e fotos: Assessoria


Gilmar Mendes diz que “estamos nos avizinhando do terreno perigoso de delírios totalitários”

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 23 de agosto às 12:04


A reação do Ministro Gilmar Mendes, do STF,  contra procedimentos dos Procuradores do Ministério Público envolvidos na Lava Jato, foi muito dura.
Isso após o vazamento, que foi capa da Veja, citando o Ministro Dias Toffoli num suposto envolvimento com a OAS.
Mendes acha que o responsável pelo vazamento é o próprio Ministério Público, e não a OAS.
Segundo ele, “já estamos nos avizinhando do terreno perigoso de delírios totalitários. Me parece que [os procuradores da Lava Jato] estão possuídos de um tipo de teoria absolutista de combate ao crime a qualquer preço”.
“Eles estão defendendo até a validação de provas obtidas de forma ilícita, desde que de boa-fé. O que isso significa? Que pode haver tortura feita de boa-fé para obter confissão? E que ela deve ser validada?”

Gilmar diz que é “inaceitável” o grau de liberdade dos investigadores do MP

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 23 de agosto às 11:52


“Essas autoridades que estão investidas desse poder investigatório, que podem fazer qualquer coisa, e isso é inaceitável. Eles vão querer agora imputar [o vazamento] aos delatores, que ficam prejudicados? As probabilidades não indicam isso”.

Disse Gilmar Mendes, do STF, sobre a versão de que o vazamento da delação da OAS, citando o Ministro Dias Toffoli, teria sido dos próprios investigados.

Ele suspeita que foram os investigadores, isto é, o Ministério Público.


Gilmar Mendes acha que quem vazou delação da OAS foi o próprio MP

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 23 de agosto às 11:50


O Ministro Gilmar Mendes, do STF, não aceitou a versão do Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, para parar a delação premiada do Léo Pinheiro, da OAS, dentro da Lava Jato.

Segundo versão de Janot a suspensão se deu por causa do vazamento de informações que citavam o Ministro Dias Toffoli na delação, segundo revelou a revista Veja.

E que o responsável seria a própria OAS.

Pois Gilmar Mendes acha que quem vazou o documento foi o próprio Ministério Público:

“Não quero fazer imputação, mas os dados indicam que a investigação [do vazamento] deve começar pelos próprios investigadores. Estão com mais liberdade do que o normal. (…) Eu diria que o vazamento não é de interesse dos delatores. Acho que é dos investigadores, como tem se repetido em outros casos”.

Janot agora está em dificuldades e terá que explicar melhor.


Projeto para instalar bloqueadores nos presídios é prioridade na Câmara

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 23 de agosto às 11:25


DSC_0080

Em meio à discussão nacional sobre a instalação de bloqueadores de celular nos presídios, o projeto de lei Nº 1281/2015, de autoria do deputado federal Beto Rosado (PP-RN) tramita em regime de prioridade na Câmara dos Deputados.

O projeto obriga empresas de telecomunicações a instalar bloqueadores de sinais de celular nos presídios ou centro de detenções com mais de 200 presos em todo o país.

“Vivemos, recorrentemente, no estado uma onda de ações criminosas comandadas de dentro para fora dos presídios. Uma das coisas que facilitam essa comunicação a partir das penitenciárias é a falta de bloqueadores de sinais, daí a importância da proposta, que sugere a utilização do Fundo Nacional Antidrogas para ressarcir as despesas que as empresas terão com a instalação dos bloqueadores”, continuou Beto Rosado.

O deputado tem trabalhado em Brasília para que a presidência da Casa instale a Comissão Especial que vai analisar o texto.

Fonte e foto: Assessoria


Comandos militares fazem balanço da Operação Potiguar

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 23 de agosto às 09:35


WhatsApp Image 2016-08-22 at 15.13.18 WhatsApp Image 2016-08-22 at 15.13.17

O Comandante Militar do Nordeste, General de Exército Artur Costa Moura, chegou à cidade de Natal, no dia 22, para um encontro com o Governador do Estado do Rio Grande do Norte, Robinson Faria.

O objetivo da reunião foi fazer a primeira aproximação com o chefe do Executivo estadual após ter assumido o Comando Militar do Nordeste no último dia 17 de agosto.

Na pauta, constaram ainda os resultados da Operação Potiguar, por meio da qual o Exército Brasileiro realizou ações de Garantia da Lei e da Ordem para a manutenção da ordem pública e do cotidiano de normalidade na Região Metropolitana de Natal.

Ao chegar na capital potiguar, o General Moura assistiu, na 7ª Brigada de Infantaria Motorizada, a uma apresentação do Comandante da Operação Potiguar, General de Brigada Jayme Octávio de Alexandre Queiroz, sobre os resultados obtidos pelas Forças Armadas em cooperação com os Órgãos de Segurança Pública na Operação Potiguar.

Desde o dia 3 de agosto, foram desenvolvidas mais de 4 mil ações operacionais na Região Metropolitana de Natal, que contribuíram significativamente com a queda dos atos criminosos, segundo dados da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Rio Grande do Norte.

Em seguida, o General Moura seguiu para o Governadoria, acompanhado pelo Coordenador Político da Operação Potiguar, General de Divisão Marcio Roland Heise; pelo novo Comandante da 7ª Região Militar, General de Divisão José Luiz Jaborandy Rodrigues; e pelo Comandante da Operação Potiguar, General Jayme.

A Operação Potiguar permitiu com que áreas que antes estavam ameaçadas pelas ações de vandalismo, tais como escolas, hospitais, bancos, pontos turísticos, corredores de mobilidade de transporte público e principais vias de acesso à capital, retomassem a sua rotina de normalidade.

Mesmo após a retirada das tropas das ruas de Natal, as Forças Armadas continuarão a prestar apoio aos Órgãos de Segurança Pública nas áreas de logística, inteligência, instrução e comando e controle.

Fonte e fotos: Assessoria


Fazer um gol agora é um perigo

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 22 de agosto às 13:52


bola-na-rede-520x245

O gol é a maior emoção do futebol.

Sei que o artilheiro, o goleador, o matador da área é idolatrado, endeusado, assina grandes contratos etc.

Mas venho notando nos últimos tempos uma grande valorização para o cara que joga dando a tal da assistência, o passe mortal, o que deixa o artilheiro na boca do gol.

Entendo a importância.

Desconfio, porém, que este cara está é com medo de fazer gol.

Gente, vocês já viram o perigo que é fazer um gol hoje em dia?

Numa final, na emoção, então, é quase uma sentença de morte.

O que faz o gol quer sair sozinho na foto, que mandar um coração para a mãe,  mulher ou filho, quer mostra sua fé, dar sua cambalhota etc.

Nem bem fez o gol e começa a correr, vem um e puxa pela gola da camisa, quase enforcando o indigitado.

Ele insiste em correr, é derrubado logo adiante, na faixa, igual a boi na vaquejada.

Nem bem se recupera da queda, vem um zagueiro com uns dois metros de altura e pula em cima.

Nestas alturas o artilheiro está quase sem fôlego.

E vem caindo gente em cima.

O time inteiro.

No meio da confusão, ali embaixo do monte, acho que até rola um selinho.

Sem querer, é claro.

Parece que esperar, cumprimentar o cara no meio de campo, não é efusivo o suficiente.

Além do desconforto de receber uma ruma de homem em cima, tudo suado, se escapar, o artilheiro sai todo amassado, cheio de areia e com a sensação que perdeu o melhor da imagem da TV.

Fazer gol hoje parece um castigo.

O valor que dão agora pra a tal da assistência  – igual ao basquete – parece que é porque os colegas de time não aguentam mais o cerimonial, o roteiro, a sequência de atos e gestos que o artilheiro tem que passar após fazer um gol.

Primeiro agradece aos céus, reza, aponta pra cima.

Depois beija o escudo da camisa, corre pra câmera e manda um beijo, faz um coração pra mãe, mulher, filhos.

Ainda corre pra arquibancada, agora bem mais perto, para falar com um amigo que está assistindo o jogo. Antes passa pela placa do patrocinador.

Depois de amassado pelos colegas, fica de joelho, agradece de novo.

Esse massacre é invenção de quem aprendeu a ser assistente.

É valorizado, quase sócio do gol, entra na estatística e se livra do atropelo e de todas as tarefas que tem que cumprir.

Antigamente era só fazer o gol e correr pro abraço.

As coisa estão ficando muito intensas e perigosas para os artilheiros.


Padilha acredita que Senado dará entre 60 a 63 votos a favor do impeachment

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 22 de agosto às 13:20


apontando-o-dedo-2407441

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, afirmou em entrevista à Rádio Estadão a expectativa do governo interino de Michel Temer (PMDB) com a votação final do processo de impeachment da presidente afastada, Dilma Rousseff (PT) no Senado.

“Deveremos ter entre 60 e 63 votos a favor do impeachment”, disse o ministro, emendando: “Sendo conservador, deveremos ter 61 votos.”

Apesar da previsão, Padilha disse que o governo respeita a independência dos poderes e que o impeachment é questão do Senado. Mas, pela sua previsão, Michel Temer deverá contar com ampla maioria para continuar no comando do País.

Segundo o ministro-chefe da Casa Civil, ao tornar-se definitivo, o governo Temer será ainda mais objetivo para executar as ações necessárias para recolocar o País na rota do crescimento.

“Governo enquanto interino deixa interrogações, é natural”, afirmou. “Com governo definitivo, teremos de conter a expansão da dívida pública e reformar o nosso sistema previdenciário”, disse.

Deu no Diário do Poder

Foto: Dreamstime.com