A Veja responde fala de Dilma Roussef na TV

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 24 de outubro às 16:32


A resposta de VEJA

Sobre a fala da presidente no horário eleitoral

A presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição, ocupou parte de seu horário eleitoral para criticar VEJA, em especial a reportagem de capa desta semana. Em respeito aos nossos leitores, VEJA considera essencial fazer as seguintes correções e considerações:

1) Antecipar a publicação da revista às vésperas de eleições presidenciais não é exceção. Em quatro das últimas cinco eleições presidenciais, VEJA circulou antecipadamente, no primeiro turno ou no segundo.

2) Os fatos narrados na reportagem de capa desta semana ocorreram na terça-feira. Nossa apuração sobre eles começou na própria terça-feira, mas só atingiu o grau de certeza e a clareza necessária para publicação na tarde de quinta-feira passada.

3) A presidente centrou suas críticas no mensageiro, quando, na verdade, o cerne do problema foi produzido pelos fatos degradantes ocorridos na Petrobras nesse governo e no de seu antecessor.

4) Os fatos são teimosos e não escolhem a hora de acontecer. Eles seriam os mesmos se VEJA os tivesse publicado antes ou depois das eleições.

5) Parece evidente que o corolário de ver nos fatos narrados por VEJA um efeito eleitoral por terem vindo a público antes das eleições é reconhecer que temeridade mesmo seria tê-los escondido até o fechamento das urnas.

6) VEJA reconhece que a presidente Dilma é, como ela disse, “uma defensora intransigente da liberdade de imprensa” e espera que essa sua qualidade de estadista não seja abalada quando aquela liberdade permite a revelação de  fatos que lhe possam ser pessoal ou eleitoralmente prejudiciais.


Glaciar Perito Moreno, reserva de água doce do planeta

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 24 de outubro às 06:51


Glaciar Perito Moreno I Glaciar Perito Moreno II Glaciar Perito Moreno IIIO Fator RRH recebe fotos e um bilhete de Jayme Dias, ex-superintendente da Fiern.

Diz ele: “Segue em anexo 3 fotos do Glaciar Perito Moreno, localizado em El Calafate, na Argentina. Possui 5 quilômetros de largura e sessenta metros de altura. Uma das maiores reservas de água doce do planeta”.

Nas horas vagas Jayme Dias pratica a fotografia.


Igreja católica pode reconhecer o segundo casamento

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 24 de outubro às 06:16


casamentoO presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), cardeal Raymundo Damasceno Assis, disse ontem (23) que a Igreja Católica está discutindo a possibilidade de reconhecer casais formados por divorciados que estejam em segunda união.

O assunto foi tratado durante a 3ª Assembleia Extraordinária do Sínodo dos Bispos, de 5 a 19 deste mês, no Vaticano, com o tema Os desafios pastorais da família no contexto da evangelização.

Segundo dom Damasceno, “há consenso quanto à indissolubilidade do matrimônio, mas o sínodo não desconheceu situações especiais que muitas casais têm hoje.

São pessoas que contraem novo matrimônio, continuam participando das atividades da igreja, atuando nas comunidades, com uma vida estável e assumindo sua responsabilidade quanto à educação dos filhos, disse ele. “E [esses casais] são desejosos de comungar e se confessar. Então, a igreja está aprofundando essa temática para ver, caso a caso, que soluções dar para essas situações.”

O cardeal ressaltou que não houve mudança doutrinal.

Ele explicou que o sínodo foi dividido em duas etapas e que o documento final com as conclusões será proclamado pelo papa na segunda fase, em outubro do ano que vem.

Foi preparado, no entanto, um documento com o resumo das discussões que será encaminhado às dioceses e conferências episcopais para ser aprofundado e receber contribuições.

Dom Damasceno, que é arcebispo de Aparecida, em São Paulo, informou que, durante o sínodo, foram apresentadas sugestões sobre como tratar o assunto.

De acordo com ele, muitos casais procuram o tribunal eclesiástico para anular o primeiro matrimônio. O cardeal acredita que é possível simplificar esse processo, que normalmente se dá em duas instâncias.

“É uma proposta reduzir somente à primeira e dar poder maior ao bispo para a tomada de decisão nesses casos.”

Deu no Correio Braziliense


“O Planalto sabia de tudo”, revela Youssef

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 24 de outubro às 05:42


Em depoimento à Polícia Federal e ao Ministério Público em Curitiba, segundo a revista “Veja”, o doleiro Alberto Youssef teria dito que a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva “sabiam de tudo” sobre o esquema de corrupção na Petrobras.

Ainda conforme a revista, que antecipou, nesta quinta-feira à noite, trecho da reportagem a ser divulgada nesta sexta-feira na íntegra, a revelação teria sido feita por Youssef na última terça-feira.

Perguntado sobre o nível de comprometimento de autoridades no esquema de corrupção na Petrobras, o doleiro teria afirmado:

— O Planalto sabia de tudo!

Perguntado pelo delegado que colhia o depoimento a quem ele se referia, Youssef teria respondido:

— Lula e Dilma.
O advogado de Youssef, Antonio Figueiredo Basto, confirmou que o doleiro prestou depoimento à Polícia Federal de Curitiba na última terça-feira, mas disse não ter conhecimento da informação citada pela revista.

— Eu nunca ouvi nada que confirmasse isso (que Lula e Dilma sabiam do esquema de corrupção na Petrobras). Não conheço esse depoimento, não conheço o teor dele. Estou surpreso — afirmou Basto.

Ele disse que Youssef prestou muitos depoimentos no mesmo dia e que o doleiro estava acompanhado de advogados de sua equipe.

— Conversei com todos da minha equipe e nenhum fala isso. Estamos perplexos e desconhecemos o que está acontecendo. É preciso ter cuidado porque está havendo muita especulação.

Basto também disse que a defesa não possui cópia do que foi falado por Youssef à Polícia Federal.

— Nós não temos como pegar em mãos e não ficamos com cópia de nada. Então, não nego nem confirmo se esse depoimento é verdadeiro, se essa informação foi dada ou não e se sim, em quais circunstâncias.

O depoimento citado pela revista não tem relação com os que foram prestados à 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, cujo teor já foi divulgado anteriormente.

O doleiro está preso em Curitiba desde março e é acusado de ser um dos chefes do esquema que teria desviado cerca de R$ 10 bilhões desde 2006.

Seria a primeira menção de Youssef ao nome de Dilma nas investigações. Ele já havia citado Lula em depoimento prestado à Justiça Federal no dia 8 deste mês.

Na ocasião, Youssef disse que Lula teve que ceder aos políticos de partidos acusados de participar das fraudes na Petrobras e empossou Paulo Roberto Costa na diretoria de Abastecimento. Ele afirmou que “agentes políticos” ameaçaram trancar a pauta do Congresso.

— Tenho conhecimento que, para que o Paulo Roberto Costa assumisse o posto, esses agentes trancaram a pauta no Congresso por 90 dias. Na época, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ficou louco e teve de ceder e empossar Paulo Costa na diretoria de Abastecimento — afirmou, de acordo com vídeo do depoimento disponibilizado pela Justiça Federal.

O doleiro ainda disse que o PT, PMDB e PP estavam envolvidos num esquema de corrupção na Petrobras que consistia na cobrança de propinas de empreiteiras pelo tesoureiro petista João Vaccari e pelo peemedebista Fernando Soares. As obras da estatal eram escolhidas por um cartel de dez empresas, que superfaturavam os preços em algo em torno de 20%, dinheiro que era dividido para políticos e diretores da estatal.

No trecho da reportagem divulgado ontem à noite, “Veja” faz um relato da chegada de Youssef na sala para o interrogatório.

“A temporada na cadeia produziu mudanças profundas em Youssef. Encarcerado desde março, o doleiro está bem mais magro, tem o rosto pálido, o cabelo raspado e não cultiva mais a barba. O estado de espírito também é outro. Antes afeito às sombras e ao silêncio, Youssef mostra desassombro para denunciar, apontar e distribuir responsabilidades na camarilha que assaltou durante quase uma década os cofres da Petrobras”, descreve a reportagem.

PEDIDO PARA ADIAR DEPOIMENTO À CPI

Youssef vai pedir à CPI da Petrobras que remarque seu depoimento, previsto para a próxima quarta-feira, para depois que seu acordo de delação premiada for homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o que não tem data marcada para acontecer. O advogado de Youssef, Antônio Figueiredo Basto, disse que o doleiro permanecerá em silêncio se o depoimento for mesmo confirmado para semana que vem.

— Meu cliente vai permanecer calado na quarta-feira. Por conta do acordo de delação premiada que ele fez com a Justiça, ele tem que permanecer em silêncio. Ele está disposto a falar à CPI, mas só depois da homologação do acordo com o STF. Por isso, é melhor que a CPI redesigne o depoimento para outra data. Até para evitar o deslocamento para Brasília, escolta e todos os gastos decorrentes da viagem — disse Basto.

Basto aguarda que o juiz federal de Curitiba, Sérgio Moro, despache seu pedido de anulação do depoimento do testa de ferro Leonardo Meirelles, diretor presidente da Labogen, no qual ele diz que Youssef tinha negócios com o PSDB.

Segundo o advogado, Youssef nega ter tido negócios com o PSDB e quer uma acareação com Meirelles para desmenti-lo.

De acordo com o advogado, o juiz só deve despachar seu pedido na segunda-feira. Em depoimento de Meirelles ao juiz Moro, na última segunda-feira, o diretor do Labogen disse que Youssef fazia negócios com o PSDB e com o ex-presidente do partido Sérgio Guerra.

Ao tomar conhecimento do depoimento de Meirelles, Youssef pediu que seu advogado desmentisse a informação oficialmente.

Deu em O Globo


A capa-bomba de Veja

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 24 de outubro às 05:23


B0qw0ZACEAEu3fiA capa da Revista Veja desta semana é um petardo.

Afirma, baseada em um suposto depoimento do doleiro Alberto Youssef, preso na Polícia Federal, que o Palácio do Planalto sabia da movimentação criminosa de recursos da Petrobras.

Será, sem dúvida, a grande novidade nesta reta final de campanha.


Índice de confiança da indústria cresce pela primeira vez em 2014

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 24 de outubro às 05:17


Com expectativas mais otimistas, a confiança do setor industrial sinaliza em outubro a primeira alta do ano, de acordo com a “Sondagem da Indústria de Transformação”, da Fundação Getulio Vargas (FGV).

O ICI, índice que sintetiza a pesquisa, subiu 1,8% na prévia deste mês em relação ao resultado final de setembro, feitos os ajustes sazonais.

Se confirmado o resultado, o índice atingiria 82,6 pontos, interrompendo a sequência de quedas iniciada em janeiro.

O ICI, contudo, ainda estaria bem longe da média dos últimos 60 meses, de 104,1 pontos. Desde julho de 2013 o indicador está abaixo de cem.

Na comparação com outubro do ano passado, a confiança registra queda, de 15,8%, mas em magnitude menor que em setembro, quando houve recuo de 16,5%.

A primeira variação positiva mensal do Índice de Confiança da Indústria no ano seria determinada pe la melhora das expectativas em relação aos meses seguintes.

O Índice de Expectativas (IE) avançaria 5,7%, alcançando 86,6 pontos, o maior desde maio deste ano. Em contrapartida, o Índice da Situação Atual (ISA) cairia 2,1%, atingindo 78,6 pontos, o menor desde março de 2009 (78,5).

Em linha com as percepções negativas sobre a situação atual dos negócios, o resultado preliminar do Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) indica queda de 0,8 ponto percentual entre setembro e outubro, de 83,0% para 82,2%.

Para a prévia de outubro foram consultadas 780 empresas entre os dias 02 e 20 deste mês. O resultado final da pesquisa será divulgado na próxima quarta-feira, dia 29.

Deu na Valor


Agenda de Henrique Alves

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 24 de outubro às 05:14


Sexta – Feira.
24/10/2014.
07:00
Natal.
Evento: Visita à Ceasa.
09:00
Caravana 15
Evento: Caminhada no Conjunto dos Guarapes.
Concentração: Quadra de Esportes.
11:00
Evento: Visita ao Centro da Cidade Alta.
15:00
Parnamirim.
Evento: Carreata do 15.
Concentração: Parque Aristófanes Fernandes.
17:00
Macaíba.
Evento: Carreata do 15.
17:00
Natal.
Evento: Carreata na Zona Norte – Prefeito Carlos Eduardo.


As manchetes da sexta feira

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 24 de outubro às 04:58


O Globo
Dilma descola de Aécio

Folha de São Paulo
Dilma abre 6 pontos sobre Aécio

Estado de S.Paulo
Dilma abre vantagem e tem 54%; Aécio, 46%, diz Ibope

Correio Braziliense
Petrobrás se torna alvo de novas investigações


PT e PSDB fazem acordo no TSE

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 23 de outubro às 05:45


As campanhas da presidente Dilma Rousseff (PT) e de seu adversário, Aécio Neves (PSDB), firmaram um acordo nesta quarta-feira para desistir de todas as representações ajuizadas até agora no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) referentes à disputa presidencial deste ano.

Na pauta de julgamentos desta quarta-feira havia 16 ações das duas candidaturas reclamando da conduta de seu oponente. Antes da sessão, a portas fechadas, os advogados das campanhas se reuniram com os ministros da corte e se comprometeram a abandonar as agressões mútuas na reta final das eleições.

— Queria, em nome do TSE, dizer do imenso gesto para a democracia brasileira que as duas campanhas demonstram nesse momento, se comprometendo a fazer campanhas propositivas e programáticas. É um momento histórico dessa corte. Gostaria de parabenizar, emocionado, pelo acordo formulado. Cumprimento as candidaturas pelo gesto, que fortalece o Estado Democrático de Direito — afirmou o presidente do tribunal, ministro José Antonio Dias Toffoli.

A sessão, que costuma começar às 19h, atrasou mais de meia hora por conta dos acertos de bastidor.

No início da sessão, os advogados Arnaldo Versiani, de Dilma, e Carlos Caputo Bastos, de Aécio, foram à tribuna do plenário para anunciar o pacto.

O acordo vale para ações já apresentadas. Nesses casos, as decisões já decididas, liminares ou de plenário, ficam valendo.

As que ainda não foram julgadas ficam extintas. Se um dos partidos não cumprir o tratado a partir de amanhã, o oponente poderá entrar com nova ação no TSE para reclamar da conduta do candidato.

Como parte do acordo, a campanha de Aécio poderá continuar exibindo inserções de rádio e de televisão de quinta e de sexta-feira na qual Dilma elogia a gestão do tucano no governo de Minas Gerais. A fala da presidente poderá ser exibida três vezes em cada dia, totalizando seis inserções. Os dois partidos concordaram com esse ponto.

Na terça-feira, o TSE começou a julgar a ação do PT que pedia a suspensão dessas inserções. A discussão foi polêmica, com três ministros votando pela possibilidade de veiculação do elogio e três opinando para que o trecho fosse suprimido do horário eleitoral gratuito. Toffoli pediu vista e o julgamento seria retomado hoje. Com o acordo firmado, a decisão não chegou a ser tomada pelo tribunal.

Deu em O Globo


Zeca Melo é paraninfo na pós-graduação

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 23 de outubro às 05:24


Atendendo convite da Diretoria do SEBRAE Nacional, o Diretor Superintendente do SEBRAE RN, Zeca Melo, será o paraninfo da primeira turma da Pós-Graduação Especialistas em Gestão de Pequenos Negócios, em solenidade a ser realizada na próxima sexta-feira, dia 24, em Brasilia.

A Pós graduação é desenvolvida pelo SEBRAE em parceria com a Fundação Instituto de Administração (FIA) de São Paulo.

Dividido em sete turmas o curso vai formar 245 funcionários de todos os Estados, sendo 22 do Rio Grande do Norte, representando proporcionalmente o maior índice de selecionados no Brasil (na primeira turma serão formados dois).

O convite ao Diretor Superintendente é um reconhecimento pelo seu engajamento junto a Diretoria do Sebrae Nacional e Conselheiros para que fosse retomado cursos de especialização para os funcionários de carreira do sistema.

Entre os temas abordados em sala de aula destacam-se projetos sobre produção, gestão, controles, investimentos, fatores de sucesso e planejamento estratégico.

Os temas apresentados foram objeto de trabalho de campo realizados durante o curso desenvolvidos em empresas de pequeno porte dos ramos de confecção, moda, beleza, alimentação, informática, entre outros.

Fonte: Assessoria