Contribuição sindical é até o final de janeiro, alerta Fecomércio

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 19 de janeiro às 13:48


Anexo de E-mail


Robinson nega que governo negocie com bandidos

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 19 de janeiro às 13:41


Deu no Portalnoar

O governador Robinson Faria distribuiu mensagem nas redes sociais onde nega que seu governo tenha negociado com bandidos.

Reportagem do jornal O Globo afirma nesta quinta-feira (19) que o Estado negociou diretamente com o PCC para retomar o controle da penitenciária de Alcaçuz e evitar novos confrontos com o Sindicato do Crime do RN.

“Nosso governo não recuou. Por não ter negociado e nao ter nos intimidados, não vamos aceitar. Nosso governo não negocia com bandidos”, afirmou o governador em vídeo de quase um minuto.

Negociação

Segundo O Globo, uma delegada da Polícia Civil e um oficial da Polícia Militar foram designados para conversar com criminosos.

Os policiais negociadores receberam a missão de descobrir as exigências dos presos e identificar quais delas poderiam ser atendidas.

Uma das reivindicações foi atendida nesta quarta-feira: um grupo de 220 detentos, ligados à facção local, foi transferido do presídio de Alcaçuz, na Região Metropolitana de Natal, para a Penitenciária Estadual de Parnamirim (PEP).


Falta um dia para a estreia do novo Portal no Ar

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 19 de janeiro às 07:31


No-Ar----Campanha-2017---contagem-regressiva-1Dias-800x800pix


Natal no centro da guerra das quadrilhas

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 19 de janeiro às 07:16


“As Farc tinham uma presença dominante e decisiva nesse mercado e sua saída acarreta muitas mudanças”, diz o cientista político.

“Não foi por acaso que os embates, até aqui, ocorreram justamente em Manaus, Boa Vista e Natal” – áreas que estão “no caminho” das rotas de distribuição da droga colombiana.

“É uma briga por pontos estratégicos. Cada grupo sabe que, se não tomar a conexão, o outro toma.”

Deu no Estado de São Paulo


Guerra nos presídios é para ocupar o espaço das Farc, diz professor

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 19 de janeiro às 07:14


Quem quiser entender o porquê da súbita e violenta guerra entre facções no Brasil pode começar com as Farc e o vazio que elas deixaram no narcotráfico, ao assinar o acordo de paz na Colômbia.

A avaliação é de Paulo de Tarso dos Santos, da Unicamp.

Estudioso do PCC e das vida penitenciária no País, o professor, aposentado, vem investigando há tempos o que chama de “geopolítica da droga no continente”.

Cautelosamente, ele prefere chamar a análise do fenômeno de “uma hipótese a se investigar”.

 

Deu no Estado de São Paulo


Fundo Penitenciário só bajula o bandido

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 19 de janeiro às 07:03


A lei que criou o Fundo Penitenciário Nacional (Funpen), há 23 anos, prevê no inciso IX do seu artigo 3º um “programa de assistência às vítimas de crime” que jamais foi criado e no qual nunca se aplicou um centavo.

No site do Ministério da Justiça, o Departamento Penitenciário Nacional informa que o Funpen existe para aprimorar o sistema prisional e não faz qualquer referência a iniciativas de apoio às vítimas do crime.

Deu no Diário do Poder


Imagens de Alcaçuz que ampliam o pânico

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 18 de janeiro às 10:34


As fotos e imagens – muito repetidas nos últimos dias – de presidiários em cima de alguns telhados do presídio de Alcaçuz  passam a impressão que os bandidos estão prontos para pular o muro e sair às ruas.

Não é bem assim.

Seria uma estupidez ainda maior  de quem construiu a cadeia em fazer prédios encostados nos muros que cercam o local.

Dali eles não podem saltar e fugir.

Os telhados estão bem distantes dos muros da prisão.

Mas as imagens assustam ainda mais a população, aumentando o pânico.


Temer lança o Mais Simples

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 18 de janeiro às 05:22


Com a presença de Michel Temer, o Sebrae lança nesta quarta o “Empreender Mais Simples”, programa concebido pelo presidente da entidade, Guilherme Afif Domingos, apaixonado pelo tema.
A ideia é reduzir burocracia e facilitar acesso ao crédito às pequenas empresas.
Deu no Diário do Poder

Faltam dois dias para a estreia do novo Portal no Ar

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 18 de janeiro às 05:06


No-Ar----Campanha-2016---contagem-regressiva-2Dias-800x800pix


Faturamento da indústria cresce 4,5% e horas trabalhadas na produção aumentam 0,7%, informa CNI

Em por Ricardo Rosado
Atualizado em 17 de janeiro às 14:32


Indicadores-Industriais-130117

O faturamento da indústria brasileira aumentou 4,5% e as horas trabalhadas na produção cresceram 0,7% em novembro na comparação com outubro na série livre de influências sazonais.

O nível de utilização da capacidade instalada ficou praticamente estável em 76,6%, informa a pesquisa Indicadores Industriais, divulgada no último final de semana pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

No entanto, isso não significa que há um movimento de recuperação da atividade industrial. “A comparação anual dos indicadores continua a mostrar quedas expressivas”, destaca a CNI.

Em relação a novembro de 2015, o faturamento registra queda de 9,9% e as horas trabalhadas na produção têm retração de 5,1% e a utilização da capacidade instalada era de 77,5%.

Além disso, todos os indicadores do mercado de trabalho recuaram em novembro frente a outubro de 2016 na série livre de influências sazonais.

O emprego na indústria caiu 0,3%, a massa salarial real recuou 2,1% e o rendimento médio real do trabalhador diminuiu 1,5%. Na comparação com novembro de 2015, o emprego teve queda de 5,5%, a massa real de salários caiu 7,7% e o rendimento médio real do trabalhador encolheu 2,3%.

De acordo com o economista da CNI, Marcelo Azevedo, as previsões indicam que a recuperação da atividade industrial será lenta. Ele afirma que o corte de 0,75 ponto percentual na taxa de juros anunciada esta semana pelo Banco Central pode estimular a economia.

“A redução dos juros é importante para incentivar o consumo, o que se refletirá no aumento da produção e do emprego”, afirma o economista.

Deu no Portal da CNI