Pequenas Histórias das Canções – Come Together

Em por Djacir Dantas
Atualizado em 5 de dezembro às 12:53


Em outubro de 1960 Timothy Leary, professor de psicologia da Universidade de Harvard partiu rumo à Cuernavaca, México. Leary queria experimentar cogumelos alucinógenos. A experiência foi transcendental. Leary afirmou, anos depois, que em cinco horas aprendeu mais sobre a mente humana do que nos 15 anos de estudos e pesquisas em psicologia. E vejam que Leary era autor de alguns dos textos mais apreciados, na época, no campo da psicologia.
Leary decidiu prosseguir com seus experimentos com drogas alucinógenas e terminou demitido de Harvard. Oficialmente, por negligenciar suas obrigações como professor. Quando a onda do LSD surgiu, Leary foi um dos primeiros a surfar, tornando-se um dedicado pregador de suas virtudes como uma substância fundamental para expandir os limites da mente.
Em 1969, Leary, já então morando na Califórnia, decide se candidatar ao governo do estado, enfrentando Ronald Reagan. Naquele mesmo ano, no dia primeiro, John Lennon organiza um dos seus bed-in no 19º andar do Queen Elizabeth Hotel, in Montreal. Em um bed-in, Lennon e Yoko Ono ficavam alguns dias esparramados em uma cama com o objetivo de chamar a atenção para sua campanha contra as guerras, eram entrevistados por jornalistas e recebiam algumas figuras proeminentes que iam lhes dar apoio.
No bed-in de Montreal, Tomothy Leary e sua mulher estavam presentes e chegaram a participar do coro da canção Give Peace a Chance. No dia seguinte, Leary pediu a Lennon uma música que pudesse usar na sua campanha para governador. O lema da campanha era Come together. Join the party. A palavra party aqui tinha um duplo sentido, já que tanto podia se aplicar a um partido como a uma festa. Um trocadilho intencional. Leary queria dizer que a vida era uma festa que precisava ser usufruída.
Lennon aquiesceu e em pouco tempo criou os verso Come together right now / Don’t come tomorrow / Don’t come alone / Come together right now over me / All I can tell you is you gotta be free. Algo como Venha junto agora mesmo / Não venha amanhã / Não venha só/ Venha junto agora mesmo, comigo / Tudo que eu posso lhe dizer é que você tem que ser livre.
John Lennon gravou o tema em uma fita demo e a mandou para Timothy Leary. A campanha para o governo nunca chegou a deslanchar. Pouco tempo depois, Leary foi preso, acusado de posse de drogas. Lennon resolveu não desperdiçar o tema. Deu uma nova feitura à letra e nasceu Come Together, a última música gravada para o álbum Abbey Road (que foi o último álbum dos Beatles a ser gravado, embora não o último a ser lançado), mas escolhida para ser a faixa de abertura. Ou seja, Come Together foi a última música que os Beatles gravaram.
Leary, na prisão, ficou surpreso e algo decepcionado quando ouviu o seu tema de campanha transformado em uma faixa comercial dos Beatles. Leary reconheceu que tanto a música quanto a letra estavam bem melhores, mas fez Lennon saber que estava desapontado. A resposta de Lennon foi irretocável. Lennon disse que o caso era semelhante ao de um alfaiate a quem um cliente encomendara um terno, mas que nunca aparecera para buscá-lo. Então, ele o vendera para outro freguês.
Falando sobre os Beatles, Leary afirmou: Os Beatles são o protótipo de uma nova raça de homens livres felizes: agentes revolucionários, mandados por Deus e dotados de uma força misteriosa capaz de criar uma nova espécie humana. Sem dúvida, uma frase digna de uma mente expandida bem além dos seus limites normais.
A letra de Come Together é John Lennon sendo John Lennon. Versos que se sucedem de modo surrealista, sem encadeamento lógico, que às vezes parecem mais guiados pela sonoridade das palavras do que pelo seu significado. Algo que Lennon já vinha fazendo desde Strawberry Fields Forever e também nos seus livros (Um Atrapalho no Trabalho e Com Sua Própria Letra). Lennon já tinha abordado a sua visão peculiar do mundo em Strawberry Fields Forever (No one I think is in my tree, You know I think it’s high or low).

Sobre os Beatles, Leary afirmou: Os Beatles são o protótipo de uma nova raça de homens livres felizes: agentes revolucionários mandados por Deus e dotados de uma força misteriosa, capaz de criar uma nova espécie humana. A frase é o exemplo acabado de uma mente expandida bem além dos limites normais.
Como acontece nesses casos, especulações sobre o significado dos versos sempre aparecem. Alguns analistas das letras dos Beatles ensaiaram interpretar algumas estrofes. Algumas guardam certa lógica. Por exemplo, He got O-no sideboard /He one spinal cracker (Ele tem aparador O-no / ele um quebra-espinha) pode, de fato, ser referência a Yoko Ono e seu hábito de interferir em suas entrevistas e atividades e de ficar de pé, descalça, sobre suas costas, em uma técnica oriental de massagem.
Mas é menos claro que He got monkey finger / He shoot Coca Cola (ele tem dedos manchados / Ele se injeta Coca Cola ) seja uma referência a Ringo, que Got to be good looking because he’s so hard to see (Tem que ser bonito porque ele é tão difícil de se ver) seja relativo a Paul e que Holy roller (santo enrolador) seja uma alusão a George Harrison e seu misticismo.
O certo é que a frase old flat top foi extraída de uma antiga música de Chuck Berry, como o próprio Lennon comentou na época. O que lhe valeu, em 1973, um processo por plágio. Lennon defendeu-se dizendo que usou a frase como uma reminiscência da juventude e que a música nada tinha em comum com a de Chuck Berry. Mas, para evitar uma pendência judicial, fez um acordo com a editora, comprometendo-se a gravar três músicas do catálogo deles. Cumpriu a promessa, com You can’t catch me (a música de onde a frase foi extraída) e Sweet Little Sixteen, ambas de Chuck Berry, no disco Rock’N’Roll e Ya Ya, de Lee Dorsey, em Walls & Bridges.
A BBC vetou a Come Together durante certo tempo, por conta da referência explícita à Coca Cola, o que afrontava as diretrizes da empresa. A música resistiu bem ao teste do tempo. Nos tempos atuais, de músicas acessadas por streaming em plataformas como o Spotfy, Come Together é a música dos Beatles mais requisitada.


Comentários

Deixar uma Resposta