Trump representa os americanos e que Deus abençoe a América!

Em por Eugênio Bezerra
Atualizado em 9 de novembro às 12:08


Hoje me coloquei a pensar sobre toda essa crítica que os brasileiros fazem a eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos da América. Aliás, o mundo parece que queria Hillary Clinton no lugar do republicano eleito. Muitas são as piadas e memes que tomam conta de Internet lamentando a escolha americana. Nós brasileiros não ficamos atrás nem um pouco e também criticamos. Será que a gente escolheria melhor? Será que a gente votaria melhor? Depois de votarmos em Collor, FHC, Lula e Dilma para comandar o Brasil será que podemos dizer que a escolha americano não foi feliz? Alguns dirão que “a má escolha de um presidente aqui só prejudica aos brasileiros. Nos Estados Unidos pode prejudicar o mundo inteiro”. Talvez sim, talvez nem tanto mais. Os Estados Unidos não são mais aquele país, a superpotênciaaaa. a economia mundial esta cada vez mais globalizada e os mercados interdependentes. Existe uma nova ordem mundial se estabelecendo e a escolha de Trump já é resultado deste conflito interno. Na busca por mais identidade, protecionismo econômico e sócio-cultural foi que os americanos escolheram Donald Trump.

O novo presidente do Estados Unidos é igualzinho a eles, ele os representa. É meio babaca e detesta imigrantes. Os americanos também são assim na sua maioria. Eles fingem que gostam de imigrantes por causa do dinheiro que nós deixamos lá ou por conta da nossa mão de obra mais barata. Fora isso nos olham de cima com o mesmo ar de superioridade.

No mais também há preconceito em relação ao republicano. Ele ainda nem assumiu o governo americano e se anunciam catástrofes. Calma lá. Deixa ele fazer besteira primeiro. Governar não é mesmo que fazer campanha. Quando se chega ao poder as coisas mudam e não se governa sozinho um país como os Estados Unidos.

Republican U.S. presidential candidate Donald Trump speaks to supporters during a campaign event in Harrisburg, Pennsylvania, U.S., April 21, 2016. REUTERS/Carlos Barria

 


Comentários

Deixar uma Resposta